Homem é morto na Cidade de Deus e moradores protestam

 Mototaxista havia deixado filho na escolinha de futebol quando foi alvejado

Por Edu Carvalho em 04/01/2021 às 15h30

Editado por Andressa Cabral Botelho

 Fabiano Rocha / Agência O Globo

Marcelo Guimarães, mototaxista de 38 anos, passava pela Avenida Edgar Werneck, na Cidade de Deus, na manhã desta segunda-feira (04) quando foi atingido embaixo do viaduto que dá acesso à Linha Amarela. No início da tarde, moradores fecharam a Linha Amarela, sentido Fundão, com pedaços de madeira e de móveis em protesto contra a morte de Marcelo. No sentido oposto, foram feitos alguns bloqueios. 

De acordo com a assessoria da Polícia Militar, policiais do 18º BPM (Jacarepaguá) faziam patrulhamento na região e alegaram ter ocorrido um confronto no local. Entretanto, a versão é negada pelos moradores, que ouviram apenas um disparo. A perícia da Delegacia de Homicídios da Capital (DHC) foi acionada para averiguar. 

Ele havia acabado de deixar o filho mais novo, de 5 anos, na escolinha de futebol, na Gardênia Azul, próximo à região. Nas redes sociais, a filha mais velha de Marcelo, Vitória Guimarães, fez uma publicação em homenagem ao pai: ‘’Te mataram, pai, na crueldade. O senhor era trabalhador, estava indo trabalhar e te mataram. Tão novo, 38 anos, cheio de vida, coração bom!!!! Eu, minha mãe, meu irmão (que tem apenas 5 anos), família e amigos não estamos aguentando com tanta dor. #justiçapormarcelo’’. 

Marcelo era casado e completaria 22 anos junto à esposa. Carla Roberta, viúva de Marcelo, desmente o comunicado da Polícia Militar sobre o possível confronto. “Infelizmente eu cheguei lá e meu marido estava no chão. Só quero justiça, só isso que eu quero. Eu não sei o que eu vou falar pro meu filhinho de cinco, falar que o pai dele foi viajar pra muito longe, nunca mais vai voltar”. 

Um Inquérito Policial Militar (IPM) será aberto.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, digite seu comentário
Por favor, digite seu nome aqui