‘Olha o gás’: item indispensável está cada vez mais distante dos lares em favelas e periferias

Data:

Valores oscilam em diversas partes da capital fluminense

Por Hélio Euclides, em 09/08/2021 às 07h. Editado por Edu Carvalho

Olha o gás!”, o vendedor grita. Do outro lado, o cliente olha para o botijão vazio e ao mesmo tempo abaixa a cabeça, à procura de uma madeira para acender a fogueira para cozinhar. Essa é a realidade de muitos moradores de favela, que chegam a conseguir uma cesta de alimentos, mas não tem como cozinhar os produtos, após inúmeros aumentos de valores no Gás Liquefeito de Petróleo (GLP). No mês de julho, ocorreu o reajuste mais recente de 6%.

Aline Fornel, moradora do Vidigal, mudou-se recentemente de casa e desejava adquirir alguns moveis. Descobriu que sua vizinha estava vendendo o fogão, pois iria trocar o eletrodoméstico por um utensilio elétrico, conhecido como fogareiro, para economizar. “Tive que comprar um refil vazio do botijão de 13 quilos, que custa mais de R$ 100. Somado com o gás gastei quase R$ 300”, comenta.

O fogareiro que sua vizinha comprou custa em média  R$170, mas há desvantagens. O fogareiro tem uma potência menor, e é necessário comprar também um forno. “O ideal seria a compra de um cooktop por indução, que custa R$ 800 e um forno elétrico por R$400. Seria um valor muito alto, e ainda há o risco da queima desses eletrodomésticos, visto que a fiação tanto no Vidigal, como em outras favelas, é insegura”, revela Fornel.  

Com os obstáculos, os cariocas se destacam pela criatividade. “Para economizar gás, utilizo uma chaleira elétrica, que esquenta a água para ferver alimentos, cozinhar arroz, macarrão, legumes e fazer café. Tudo isso para usar o fogão por menos tempo”, conclui. 

Não falta só gás: falta comida

Quatro pessoas dentro de casa, todas sem emprego. Esse é o caso de Simone Cristina, moradora da Vila dos Pinheiros, na Maré. Ela também lamenta a situação atual agravada pela pandemia, com o aumento do preço dos alimentos e do gás. “Nunca passei tanta dificuldade financeira. Pela primeira vez precisei pedir uma cesta básica, pois não tinha comida. Vamos voltar a usar lenha porque não temos o dinheiro do gás, que está um absurdo”, reclama.

Ela atribui à gestão federal a vulnerabilidade alimentar vivenciada por muitos brasileiros. “Esse governo está destruindo tudo que conquistamos na antiga gestão. Naquela época, pagamos a dívida externa, o pobre conseguiu um carro, uma casa, uma moto e andar de avião. Conseguimos o direito de luz e água. Não passávamos fome. Ainda tem muita gente a favor desse genocida, que não fez nada pela população. Não sei como será o futuro”, desabafa.

No início da pandemia, em março de 2020, o ativista Cosme Felippsen, que é guia de turismo comunitário, mora no Morro da Providência e é criador do tour histórico Rolé dos Favelados, perdeu uma grande parte da sua renda, devido ao cancelamento das atividades de turismo. Com a queda brusca de renda, ele ficou sem recursos para comprar gás para sua família e teve que contar com a solidariedade de uma amiga.

O RioOnWatch destaca em sua mais recente série sobre justiça e eficiência energética nas favelas que, desde março de 2020, o Comitê de Crise SOS Providência atua na distribuição de cestas básicas, itens de higiene e gás de cozinha com a campanha “Um Gás para as Mulheres da Providência”. Para ajudar, basta clicar aqui. A Central Única das Favelas (CUFA) também realiza a distribuição gratuita de botijões através do projeto Mães da Favela.

Em São Paulo, governo estadual criou o ”Vale Gás”, que atende mais de 104 mil famílias em situação de pobreza ou extrema pobreza, residentes em comunidades e favelas (classificadas como aglomerados subnormais). O valor do auxílio terá parcelas bimestrais no valor de R$ 100,00 cada, a serem pagas entre julho e dezembro de 2021, para a compra de botijão de gás de cozinha (GLP 13kg).

O critério inclui as famílias inscritas no CadÚnico (sem Bolsa Família) e com renda mensal per capita de até R$ 178,00. Para consultar a elegibilidade ao benefício, o cidadão deve entrar no site oficial do Vale Gás e digitar o número do NIS (Número de Inscrição Social) para ter acesso às informações.

O Governo Federal anunciou que estuda a criação de um benefício na proposta do novo programa social a substituir o Bolsa Família. Ainda não há uma definição de valor.


Compartilhar notícia:

Inscreva-se

Mais notícias
Related

Sementes de Marielle; confira segunda parte da entrevista com Mãe da vereadora

Nessa segunda parte da entrevista, Marinete fala sobre as sementes deixadas por Marielle, do protagonismo de mulheres negras em espaços de poder e a partir do contexto do assassinato da vereadora, como acreditar em justiça.

‘Não há uma política de reparação’, diz Mãe de Marielle sobre vítimas do estado

Além de criticar o Estado e o Judiciário, que, em diversas instâncias, colaboraram pela impunidade do crime, Marinete aproveitou para reforçar o sonho que a família tem: inaugurar, via Instituto, o Centro de Memória e Ancestralidade