Pacientes com covid-19 de Manaus caem de paraquedas na cidade do Rio

Pacientes com covid-19 de Manaus caem de paraquedas na cidade do Rio

Hospital Federal de Bonsucesso foi uma das unidades que recebeu contigente de pessoas diretamente do Amazonas

Por Hélio Euclides, em 19/02/2021 às 10h

Editado por Edu Carvalho

Na pandemia, as unidades de saúde da cidade do Rio mostraram problemas com leitos desativados e falta de equipamentos. Um exemplo do descaso aconteceu com o Hospital Federal de Bonsucesso, que depois de um incêndio no mês de outubro de 2020, não retornou à emergência e nem internações. Apesar disso, nos dias 3 e 4 de fevereiro, 34 pacientes com diagnóstico de Covid-19 chegaram ao Rio de Janeiro vindos de Manaus. A transferência foi realizada pelo Ministério da Saúde, sem prévia comunicação à Secretaria de Estado de Saúde (SES).

Ao tomar conhecimento da chegada dos pacientes, a SES, em conjunto com a Secretaria Municipal de Saúde, formou uma equipe composta por técnicos da Vigilância Sanitária, para a realização de duas vistorias nas unidades federais que receberam as transferências: Hospital Federal do Andaraí (HFA) e Hospital Federal dos Servidores do Estado. A vistoria identificou que uma ala do HFA foi reativada para receber os pacientes sem tempo hábil para finalizar as adequações, apresentando ainda equipamentos, materiais de obra espalhados pelo chão. 

O relatório da Subsecretaria de Vigilância em Saúde (SVS) concluiu que, no momento da visita, o hospital não apresentava condições satisfatórias e segurança para atender os pacientes oriundos de Manaus. A equipe da SES foi informada pelo diretor técnico do HFA que todos os dados sobre a chegada dos pacientes foram comunicados verbalmente, não sendo assim possível a avaliação de documentos de encaminhamento, inclusive os prontuários. Além disso, também foi verificado que, no momento da inspeção, tanto a direção quanto a equipe técnica do hospital não possuíam orientações de modelo de comunicação com as famílias dos pacientes, nem dos procedimentos para os casos de alta hospitalar ou óbito.

A equipe técnica da SVS realizou vistoria no Hospital Federal dos Servidores do Estado. Duas enfermeiras supervisoras do plantão e um representante do núcleo de internação da unidade acompanharam a vistoria e confirmaram que um dos pacientes foi atendido em ambiente não restrito à Covid-19. De acordo com o relatório da SVS, fica clara a falta de interlocução entre as três esferas – federal, estadual e municipal. O documento constata a falta de uma comunicação formal para organização de rede e a regulação correta dos pacientes no estado do Rio de Janeiro. A consequência mais grave dessa desorganização recai, mais uma vez, sobre os pacientes. 

Diante do exposto, a SES esclarece que apoia toda e qualquer ação humanitária, desde que seja realizada de forma planejada e organizada, dentro das normas sanitárias em vigor, com conhecimento das autoridades de saúde estadual e municipal, não compactuando que as transferências ocorram fora do Sistema Estadual de Regulação. 

Leonardo Borges, professor de educação física que atua no apoio a aplicação da vacina contra o covid na Maré, acredita que a movimentação de doentes entre estados é perigoso. “Achei que a vinda para o Rio de Janeiro, foi por não ter mais a infraestrutura necessária para manter eles lá. Mas, foi arriscado, por possibilitar a transmissão da nova variante. Também teria que existir comunicação, esse foi um erro”, comenta. 

Variante brasileira do coronavírus no Rio

Citada por Leonardo, a variante que primeiro foi identificada em Manaus teve casos confirmados no Rio de Janeiro. O resultado da análise foi divulgado na tarde desta terça-feira (16.02) pela Fundação Oswaldo Cruz. Essa mutação, chamada de P.1. é mais transmissível, embora não se tenha confirmação de que seja mais letal. A fundação explicou que fez o sequenciamento genético de uma amostra, mas o laudo não informa se há transmissão dessa mutação em solo fluminense ou se essa amostra é de alguém que pegou a variante em outro lugar e ficou doente no Rio.

O secretário de Estado de Saúde, Carlos Alberto Chaves, e o secretário Municipal de Saúde do Rio, Daniel Soranz, concederam entrevista coletiva, nesta quarta-feira (17.02), para falar sobre a circulação da nova variante de Manaus do coronavirus no Rio de Janeiro. A equipe técnica da Subsecretaria de Vigilância em Saúde da SES esclareceu que a chegada dessas mutações do vírus ao estado já era esperada e as investigações epidemiológicas dos cinco casos estão em andamento. Após a conclusão desse estudo, será possível afirmar se essas variantes estão ou não em circulação no Rio de Janeiro. 


Edu Carvalho

Artigos relacionados

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *