Ronda Coronavírus: Estado do Rio ultrapassa marca de 10.000 casos confirmados

Data:

Número de casos confirmados na Maré mais que dobra em três dias, segundo Painel Rio COVID-19

O Brasil tem, hoje, dia do trabalhador, 01 de maio, 91.589 casos confirmados por coronavírus. São 6.329 mortes, 428 mortes a mais registradas nas últimas 24 horas. O estado do Rio passou do marco de 10.000 pessoas infectadas, registrando 10.166 casos e 921 mortes. A capital carioca tem 6.189 casos confirmados e 574 óbitos. Na Maré, o dia amanheceu com moradores na rua e poucos com máscaras. 

No fim da tarde, a equipe do Maré de Notícias registrou cultos religiosos em uma rua do Morro do Timbau, uma das 16 favelas da Maré, com muita aglomeração, o que todas as recomendações de saúde alertam como perigo para a disseminação do coronavírus. 

Nas 16 favelas da Maré são 28 casos confirmados e 6 óbitos. No dia 28 de abril, havia 13 casos confirmados nas favelas, além de 4 óbitos. Nos bairros vizinhos, Ramos e Bonsucesso, são 121 casos e 13 mortes no total. Nas favelas do Rio são mais de 200 casos confirmados de Covid-19 e 25 mortes. Só na favela da Rocinha, em São Conrado, são 8 as vítimas do novo coronavírus.

Na Upa da Maré são muitos casos com coronavírus e também é grande o movimento das ambulâncias, o que sugere,  que o número de confirmados não corresponde aos dados oficiais. Segundo estudos mais recentes da Fiocruz, o número de subnotificados corresponde a ? dos reais infectados. Como o próprio Ministério da Saúde confirmou a possibilidade de subnotificação, a Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão (PFDC) do Ministério Público Federal (MPF) questionou o novo ministro da Saúde, o médico Nelson Teich, sobre a provável subnotificação do número de mortes provocadas pelo novo coronavírus no Brasil. A petição é assinada pelos procuradores Deborah Duprat e Marlon Weichert. Os procuradores deram o prazo de cinco dias úteis para que o Ministério responda aos questionamentos.

No sábado, 02 de maio, a partir das 8h, a Comlurb fará higienização na comunidade do Borel para combater a pandemia do coronavírus. A medida garante continuidade à ação iniciada no dia 9 de abril, na Rocinha, e que já atendeu mais de 360 comunidades de todas as regiões. 

A Cedae também realiza sanitização nas favelas do Rio com desinfetante (quaternário de amônia de quinta geração e biguanida polimérica – phmb) nas vias e equipamentos públicos. A técnica age como uma película que mata os micro-organismos do local (vírus, bactérias, fungos e ácaros) e forma uma camada protetora que mantém a superfície desinfetada por até 30 dias. Amanhã, dia 02, a Rocinha recebe o serviço e segunda, 04 de maio, a Maré.


Compartilhar notícia:

Inscreva-se

Mais notícias
Related

EDI na Maré se destaca por acolhimento na primeira infância

O Espaço de Desenvolvimento Infantil (EDI) Profª Kelita Faria de Paula, localizado no Conjunto Bento Ribeiro Dantas se tornou uma referência ao falarmos de “lugar de escuta”

Clube de Futebol faz ‘vakinha’ para disputar torneio em São Paulo

No ano passado, com ajuda dos pais dos atletas, o clube disputou a Taça São Paulo na categoria sub 15, este ano o pensamento do clube é participar também na categorias sub 17