Ronda Coronavírus: Hospital de Campanha da Prefeitura, no Riocentro, recebe os primeiros pacientes

Data:

Sábado foi de pouco movimento na Maré e fechamento da casa lotérica da Rua Teixeira Ribeiro

Inaugurado ontem, 01/05, a unidade recebeu 4 pacientes das unidades de urgência e emergência encaminhadas pela Central Unificada de Regulação que estão ocupando os primeiros 100 leitos disponíveis. Os demais (400 leitos) serão ativados progressivamente, conforme a chegada dos respiradores e demais equipamentos de saúde adquiridos pelo município na China na semana que vem. Serão ao todo, prometidos pela prefeitura, 500 leitos, 100 de UTI e 400 de enfermaria. Mas para o total funcionamento da unidade, é  necessária ainda a contratação de profissionais de saúde suficientes para atender os pacientes, já que vários deles no município estão afastados devido à Covid-19 e ainda por prevenção, por terem doenças associadas.

Hoje o Brasil soma 6.750 mortes, 96.559 casos confirmados por coronavírus sendo que 40.973 são pacientes curados, segundo o Ministério da Saúde. O estado do Rio de Janeiro registra 10.546 casos e 971 mortes. A capital tem 6.448 casos confirmados e 603 mortes, e 4.027 pessoas curadas de Covid-19.

Na Maré,  o dia amanheceu com menos movimento que ontem e com a Loteria da rua Teixeira Ribeiro, na Nova Holanda, fechada, apesar de ontem, terem tido cultos nas ruas do morro do Timbau. Nas 16 favelas da Maré são 28 casos confirmados e 6 mortes. Em Bonsucesso são 79 casos confirmado e 10 mortes e em Ramos são 45 casos confirmados e 3 óbitos, bairros vizinhos à Maré.

No Hospital de Bonsucesso, que deveria ser referência no tratamento da doença, há leitos ociosos enquanto pacientes agonizam em fila por UTI. A juíza federal Carmen Silvia Lima Arruda intimou o Ministério da Saúde a destituir a direção do Hospital Federal de Bonsucesso e disse que o hospital está sendo “omisso” durante a pandemia. 

Na última audiência, na quinta-feira (30), ela cobrou a abertura dos leitos de seis hospitais federais da cidade do Rio que já havia sido determinada e não foi cumprida. O hospital prometeu 177 leitos, mas só 18 estavam ocupados até hoje. São salas com leitos vazios e com respiradores. No documento, a juíza também intima o Comandante do Comando Militar do Leste a apresentar relatório, em 24 horas, sobre os insumos e demais itens necessários para abertura do hospitais de campanha e dá um cronograma detalhado para que seja cumprido. A magistrada ainda determina, que diante da negligência da Direção do Hospital Federal de Bonsucesso, e considerando a informação da Secretaria Municipal de Saúde de que há 1.000 pacientes em fila aguardando leito para transferência, que o Ministério da Saúde esclareça como o Hospital deve proceder em relação aos equipamentos ociosos do Hospital, em especial em relação aos 30 leitos prontos e 14 respiradores. 

A agências da Caixa voltaram a ter filas para retirada de auxílio emergencial neste sábado. No Rio, até unidades que não abriram tiveram aglomerações. Ao todo no estado do Rio, 64 agências abriram, sendo 22 na capital, para atender pessoas que nasceram em setembro e outubro, aquelas que têm direito a sacar o benefício no momento. A Caixa anunciou que contratou mais vigilantes e recepcionistas para ajudar a organizar as filas. Em uma agência em Bonsucesso, na Zona Norte, um funcionário controlava o acesso na porta da unidade e outro dava orientações na rua.

Compartilhar notícia:

Inscreva-se

Mais notícias
Related

Ativista e jornalista da Maré no G20

Do Conjunto de Favelas da Maré à conferência da 19a reunião de cúpula do G20, a trajetória de Kaya Bee, moradora da Nova Holanda é um exemplo inspirador na luta por um futuro mais justo e sustentável. Aos 27 anos, mãe, ativista climática e estudante de jornalismo, ela carrega a força e a resiliência de quem enfrenta os desafios da vida na favela com a determinação de transformar a realidade para os mareenses.