Ronda Coronavírus: restrições continuam no Estado pelo menos até 13 de abril

Data:

Renda mínima é aprovada no Senado. Favelas da Maré têm dinâmicas diferentes quanto às recomendações 

A Secretaria Estadual da Saúde (SES) informou que já são 657 casos confirmados do novo coronavírus no Estado do Rio de Janeiro e 18 mortos desde o início da pandemia. Na capital são 553 casos e até o momento, não há informação de teste positivo nas favelas da Maré. As restrições do governo do Estado relacionadas às determinações das autoridades médicas diante da pandemia continuam valendo no Estado do Rio até 13 de abril. Entre elas, a proibição do funcionamento de academias e shoppings, visitas a presídios, entre outras

O projeto de lei de renda mínima foi aprovado pelo Senado nesta segunda-feira, 30 de março, faltando apenas a assinatura do presidente Jair Bolsonaro para ser colocado em prática. O objetivo do projeto é garantir uma renda básica para pessoas de baixa renda durante três meses. Após a assinatura do presidente, o governo deve liberar um site com mais informações e cadastro. 

Depois de um mês e cinco dias do primeiro caso de Covid-19 ter chegado no Brasil, as favelas da Maré têm dinâmicas específicas em resposta à pandemia. Em Marcílio Dias, o comércio responde às recomendações médicas e tem fechamento considerável. Outros polos comerciais, como a Nova Holanda, ainda há  grande movimentação. Organizações locais, coletivos de comunicação e associações de moradores fortalecem a comunicação das recomendações oficiais de isolamento social no território. 

Compartilhar notícia:

Inscreva-se

Mais notícias
Related

Festas juninas colorem as ruas da Maré e marcam a vida dos moradores

Festas juninas celebram a cultura do nordeste e a fé popular no território composto por 25% de nordestinos e quase 48% de autodeclarados católicos.

Entenda o Projeto de Lei que equipara aborto em casos de estupro a homicídio 

O Projeto de Lei 1904/2024, chamado de “PL da Gravidez Infantil” ou “PL do Aborto”, equipara o aborto após a 22ª semana de gestação ao crime de homicídio, criminalizando mulheres e profissionais de saúde envolvidos no procedimento.