Das pistas de atletismo da Maré para solo estadunidense

Data:

A trajetória do atleta mareense de 22 anos que, por meio da corrida, pôde voar.

 Ana Lourdes Grossi(*)

         Brilho nos olhos e um sorriso orgulhoso podiam ser logo percebidos enquanto Reinaldo Rodrigues contava sobre o sonho que vive hoje nos Estados Unidos. O jovem atleta de pele negra retinta e cabelo black power nasceu e foi criado na Vila do Pinheiro, na Maré, onde iniciou sua caminhada nos esportes ainda garoto. Na época, não tinha nenhuma pista de atletismo das oportunidades que viriam a partir disso. Não ousava sonhar que, com apenas 20 anos, estaria dando adeus ao que conhecia para viver a aventura de morar em outro país.

         Teve uma infância feliz, marcada por uma família unida. No Ensino Fundamental, na Maré, estudou no Ciep Ministro Gustavo Capanema e, em paralelo, começou a buscar horizontes na vida de atleta. Começou no futebol, mas devido ao projeto social “Forças no Esporte” do Centro de Educação Física Almirante Adalberto Nunes, na Penha, migrou para o atletismo. Começou a se destacar ainda jovem. Através de suas performances, ganhou oportunidades que, pouco a pouco, ajudaram-no a atingir seu maior objetivo: morar fora do Brasil por meio do esporte.

         Aos 12 anos, já tinha plena consciência do sonho que queria buscar. Durante o ano seguinte, ao fim de seu ensino médio, dedicou-se inteiramente para as provas e burocracias necessárias para ingressar em uma universidade no exterior. Com a combinação de bons resultados acadêmicos e esportivos, conseguiu bolsa para estudar na Universidade do Arizona, localizada em Tucson, no estado do Arizona, nos Estados Unidos. Sobre o que vive hoje, demonstrou gratidão. “Foi algo muito bom que aconteceu na minha vida”, contou.

         Para tornar seus planos reais, foram necessários esforço e mobilização coletiva. Durante dois meses, trabalhou para pagar as taxas das avaliações, todas em dólar, e nas horas que passava fora do trabalho, estudava por si só. Ainda que tenha tido bolsa numa escola particular onde estudou o Ensino Médio, não foi suficiente para garantir sua aprovação. O ingresso em universidades do exterior não era um foco do colégio onde se formou. Outro desafio que enfrentou foi ter que aprender inglês sozinho por não ter condições financeiras para arcar com um curso. A internet se tornou sua maior aliada neste processo. 

“A gente não tinha tanto poder financeiro. Então eu não podia ficar pedindo a minha mãe e meu pai para pagar um curso, por exemplo ou então eu tive que me virar mesmo, de verdade.”

Reinaldo Rodrigues, atleta

A aprovação veio e, com ela, a felicidade e o orgulho desta conquista. Mas a batalha ainda não havia terminado. Ainda seria preciso conseguir o visto de estudante e, depois dele, custear o valor da passagem. Para isso, contaram com a ajuda de amigos, parentes e qualquer pessoa que se mobilizasse pela causa deste jovem atleta sonhador e obstinado.

Além das competições pela universidade, Reinaldo é aluno do curso de “Sports Management” (Gestão Esportiva na tradução livre). Rodrigues visa construir, paralelamente às suas performances de atletismo, carreira na área e pensa na possibilidade de trabalhar com marcas grandes e influentes no cenário do mercado esportivo.

Leia Mais:

‘O esporte me levou a lugares inimagináveis’
Com vila para prática de esportes, moradores da Maré se tornam ‘olímpicos’
Jovem da Maré luta para disputar campeonato europeu

Os contrastes na vida de Reinaldo

Reinaldo teve acesso a diferentes realidades durante a sua vida. Viu as dificuldades financeiras enfrentadas por seus pais, Joelma Nobre e Reinaldo de Oliveira, e o contexto social de muitos moradores das periferias cariocas. Mas nos anos em que estudou em escola particular, na qual ele tinha bolsa integral em virtude do esporte, esteve em um ambiente diferente do que estava acostumado, formado por pessoas de estilos de vida diferentes.

Essa vivência facilitou a adaptação no país estrangeiro, foi ela que o ensinou a se adaptar a diferentes situações e pessoas. Segundo o atleta, ser mareense foi fundamental neste processo. “Hoje, eu agradeço por ter sido nascido e criado na Maré, porque me preparou para muitas coisas que eu vi aqui fora”. E completou, ainda: “Eu aprendi muitas coisas. Quando a gente cresce numa comunidade, na favela, a gente vê diversas coisas que nos deixam preparados pro mundo de uma forma geral.”

Entre todos os choques culturais que sentiu, o jovem de 22 anos ressaltou o estranhamento agradável de ter acesso a produtos que, no Brasil, não conseguia. “Eu tinha que salvar dinheiro durante uns dez meses no Brasil para poder comprar um tênis. Aqui não. Aqui é mais acessível”, disse. Também recebeu artigos da universidade, patrocinada pela Nike. Além dos artigos de valor material, estudar e competir pela Universidade do Arizona possibilitou que ele fizesse viagens para diversos países, tanto para competir, quanto para visitar. Até agora, Reinaldo passou por Costa Rica, Bahamas, Porto Rico, Portugal, Espanha e Inglaterra.

 “O povo da Maré, o povo favelado, de comunidade, tem muita força e a gente tem muito talento para fazer muitas coisas, né?”

Reinaldo Rodrigues, atleta

Família

O carinho e consideração que tem pela família são notáveis, assim como a preocupação em diversas esferas. Reinaldo falou sobre o desejo de poder dar para seus pais  uma vida mais confortável financeiramente. Também contou sobre estratégias que usa para se manter próximo a eles, mesmo a distância.  Por meio das redes sociais e das ligações de vídeo ele acompanha o cotidiano de seus parentes e amigos. Com sua mãe, conversa todos os dias.

Joelma faz parte do grupo de mães que lutam pelos sonhos dos filhos como se fossem os seus e comemora as conquistas deles da mesma maneira. Contou sobre a fase que seu primogênito vive com um tom de orgulho presente na voz. Com um largo sorriso, mostrou as medalhas que decoram a casa onde vive na Maré com o marido e seus outros dois filhos, Ronald de Oliveira e Jeanny de Oliveira, também atletas. Acostumou-se com a rotina de vibrar por seus filhos não importa a distância e, quando precisou batalhar por eles, não hesitou em fazê-lo. 

“Eu carrego muita alegria na minha no meu peito de ver que eu encaminhei e eles [filhos] acreditaram naquilo que eu tava os guiando, né? E eles conseguiram. Conquistaram e ainda tão conquistando”

Joelma Nobre, mãe de Reinaldo

Hoje, Ronald joga futebol na base do Cruzeiro e, por isso, mora em Belo Horizonte. Jeanny, a filha do meio, segue os passos do irmão no atletismo. A mãe coruja se reveza entre as competições dos três. Carrega em seu peito o espaço de vibrar e lutar pelos três, independentemente do lugar. Joelma batalhou pela passagem de avião de sua filha que, no ano passado, representou  o Rio de Janeiro em uma competição de atletismo em Aracajú(SE). A passagem deveria ter sido paga pelo governo estadual do Rio. Com a repercussão do caso na mídia, a ida de Jeanny e de seu treinador foi viabilizada pelo hotel onde Joelma trabalha como camareira.

Neste final de ano, o visto de Joelma para ir aos Estados Unidos foi aprovado. A notícia foi recebida com muita alegria por ela e seu primogênito. Os dois já fazem planos para a sua viagem, quando irão se reencontrar depois de mais de um ano longe.

Representatividade

Muitas pessoas do ciclo social de Reinaldo se inspiram em sua trajetória. Para ele, esse é um motivo de orgulho e felicidade. “Ele se tornou uma referência para os primos e para as tias. Mostrou para a gente que a gente é capaz, que a gente pode conseguir o que a gente quiser. Se a gente não desistir, a gente consegue”, relatou sua mãe. 

Os passos que percorreu com tanto suor podem servir de motivação para outros jovens que, assim como ele, sonham alto. Servir de exemplo virou um ânimo para o atleta, uma indicação de que segue o caminho certo. Se pudesse lhes dar algum conselho, ele diria para tentarem caminhos que fujam do comum.  “O conselho que eu daria é para tentar coisas novas, caminhos diferentes que não sejam tão clichês, que a gente pode alcançar coisas muito muito grandes.”

(*) Ana Lourdes Grossi é aluna do Curso de Extensão da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) em parceria com o Maré de Notícias e o Conexão UFRJ.

Compartilhar notícia:

Inscreva-se

Mais notícias
Related

Povo negro resiste frente às estruturas de discriminação racial 

Racismo institucional é alimentado pela falta de reconhecimento do racismo estrutural, pela sub-representação de pessoas negras em cargos de liderança e pelo apagamento da contribuição e identidade negra na história e na cultura

Evento leva atividades pós-carnavalescas gratuitas para Fiocruz

Amanhã, das 10 às 16h, atração musical, atividades externas, oficinas, exposições e teatro dão o tom do “Quero + Folia no Museu”, um evento que vai abrir as portas da FioCruz