Maré de Notícias lança caderno cultural no jornal impresso

Data:

As próximas 10 edições do jornal serão uma jornada pelas manifestações artísticas e culturais que moldam a diversidade da Maré

Ana Paula Lisboa

Edição #159 – Jornal Impresso do Maré de Notícias

Ter um caderno dedicado à cultura no Maré de Notícias era um sonho antigo, e não é à toa que o maior número das nossas matérias em 2023 estiveram relacionadas à editoria de arte e à cultura. A Maré é um território diverso, rico em manifestações culturais e com uma potente história de formação. 

Os dados do Censo Maré apontam que praticamente 62% dos atuais moradores nasceram no território, mas indica também o grande fluxo migratório nordestino, 25,8%, e até mesmo estrangeiro, com 0,2% dos moradores. Essa diversidade contribui para uma explosão de produção artística e cultural. 

Em 2024, vamos realizar este desejo, produzindo o Caderno de Cultura nas próximas 10 edições do jornal impresso, que se desdobrará também em matérias para nossa edição online.

Cultura e arte

Seria praticamente impossível abarcar, nestas edições, a cultura do povo da Maré de forma total, pois é uma palavra ampla, que abrange o conjunto de valores, crenças, costumes, arte, expressões e práticas de uma sociedade ou grupo social específico. Engloba uma gama de elementos, como arte visual, música, dança, literatura, gastronomia, teatro, fotografia, arquitetura, tradições religiosas, festivais, e muito mais.

A cultura é uma parte fundamental da identidade de um povo e influencia nossa maneira de pensar, agir e se relacionar com o mundo ao nosso redor. Além disso, a cultura é dinâmica e está em constante evolução, sendo moldada pela interação entre diferentes grupos sociais, mudanças históricas e influências externas.

Nosso desejo não é sintetizar, encerrar o assunto ou dar respostas fechadas, mas fazer ainda mais perguntas que contribuam na construção da cultura mareense.

Cultura e memória

A cultura e o território estão tão entrelaçados que é difícil separar um do outro, pois ambos desempenham papéis fundamentais na forma como as pessoas e as sociedades se entendem e interagem com o mundo em nosso cotidiano.

O território também impacta na diversidade linguística. As línguas muitas vezes se desenvolvem de maneira única em diferentes regiões, isso vai desde as gírias de diferentes favelas, dos sotaques, até a forma como falamos português no Brasil, o nosso Pretuguês, como definiu a intelectual Lélia Gonzalez.

As favelas, periferias já foram considerados territórios sem conhecimento, onde viviam pessoas desprovidas de cultura. Isso porque “ter cultura” equivalia a ser escolarizado ou ter acesso a erudição. Os aspectos culturais da população não europeia (geralmente negra e indígena) não eram considerados, e chegavam a ser criminalizados, como é o caso da capoeira, do samba e do funk.

Hoje, apesar dos avanços, as manifestações culturais das periferias (slam, roda de samba, bailes funk, passinho, peças teatrais, grafite) ainda sofrem com o preconceito, a falta de financiamento e de espaços para atuação.

Cultura e identidade

O que pode parecer entretenimento, na verdade, é fundamental na construção e manutenção dos direitos humanos. Por isso, o Artigo 215 da Constituição Federal Brasileira e o Artigo 27 dos Direitos Humanos estabelecem  que, o Estado, deve garantir a todos o pleno exercício da sua cultura, incentivando a produção cultural e o direito do povo desfrutar das artes. Portanto, a relação entre arte, educação, cultura e movimentos por direitos são profundas. 

Mulheres, negros e a comunidade LGBTQIAP+ frequentemente usam a arte para compartilhar suas experiências, desafiar normas sociais e políticas discriminatórias e racistas, e dar voz às  lutas por igualdade. Muitas vezes foi pelas artes visuais, música, dança, literatura, teatro, fotografia e outras formas de expressão artística, que esses movimentos encontraram maneiras de transmitir mensagens importantes e inspirar mudanças.

/Já leu essas?

A arte e a cultura também desempenham um papel fundamental na construção de narrativas e de identidades. Representações positivas e inclusivas na mídia, na literatura, no cinema, na música e nas artes visuais são essenciais para desafiar estereótipos e promover a igualdade.

Geração de renda

No Brasil, um país rico em diversidade cultural, seria ainda mais complexo falar de cultura de forma hegemônica. Por isso, nosso recorte é a cultura como território, onde as expressões culturais das periferias e favelas assumem um papel central. Em particular, o território do conjunto de favelas da Maré, com todas as 16 comunidades, como ponto de referência fundamental.

Não é apenas na subjetividade que a cultura é importante. Ela é também essencial para a economia do Brasil. Segundo o Ministério da Cultura (MINC), mais de 3% do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro é gerado pela cultura e economias criativas. Em 2024, o Carnaval na cidade do Rio movimentou cerca de R$5 bilhões, e nas comunidades, os eventos ligados ao funk, samba e pagode sustentam famílias inteiras.

Outro aspecto importante que o leitor e leitora verá neste caderno, é a cultura como fazer artístico-estético, tendo os artistas favelados como protagonistas, seja em perfis, entrevistas ou investigando essas produções.  

De acordo com a pesquisa Marégrafia, feita com 70 artistas da Maré, os artistas do território são,  na maioria, negros, com menos de 30 anos e sem renda individual ou limitada a menos de dois salários mínimos. Menos de 3% desses trabalhadores conseguem manter as despesas familiares somente com o subsídio dos trabalhos artísticos e precisam de outras fontes para complementar a renda. E,  mais da metade dos entrevistados pela pesquisa se declararam LGBTQIAP+. Uma das missões deste caderno é trabalhar em conjunto com os artistas e instituições na atualização da pesquisa.

Cultura e lazer

Cultura e lazer são conceitos distintos, mas relacionados e estão frequentemente interconectados nas favelas.

O lazer refere-se ao tempo livre e às atividades recreativas que as pessoas escolhem realizar para descansar, relaxar e se divertir. Pode incluir uma ampla variedade de atividades, desde esportes e exercícios físicos até hobbies, passeios ao ar livre, viagens, assistir a filmes, leitura, socialização com amigos e família.

Nas favelas, muitos espaços culturais (públicos e privados) também oferecem atividades de lazer. Esta é uma forma de criar novos públicos, gerar bem-estar físico, mental e emocional das pessoas, além de promover o desenvolvimento pessoal, a criatividade e o senso de comunidade.

A música, em particular, desempenha um papel fundamental na vida das favelas. O funk, com suas letras muitas vezes politicamente carregadas, serve como um meio de contar as histórias das comunidades e de protestar contra as injustiças. Na Maré outros ritmos também se conectam, como o forró, o rock, a música clássica e o reggae.

Além disso, a gastronomia das favelas da Maré reflete a diversidade cultural do Brasil, combinando influências indígenas, africanas e europeias para criar pratos saborosos. Os restaurantes e barracas de comida não apenas alimentam os moradores, mas também atraem visitantes.

Outra meta deste caderno é compartilhar as agendas de eventos de cultura, lazer e gastronômicas do território, tanto no jornal físico quanto na edição online e nas redes sociais. 

E você, o que espera ler e ver no Caderno de Cultura do Maré de Notícias?

Compartilhar notícia:

Inscreva-se

Mais notícias
Related

EDI na Maré se destaca por acolhimento na primeira infância

O Espaço de Desenvolvimento Infantil (EDI) Profª Kelita Faria de Paula, localizado no Conjunto Bento Ribeiro Dantas se tornou uma referência ao falarmos de “lugar de escuta”

Clube de Futebol faz ‘vakinha’ para disputar torneio em São Paulo

No ano passado, com ajuda dos pais dos atletas, o clube disputou a Taça São Paulo na categoria sub 15, este ano o pensamento do clube é participar também na categorias sub 17