Vagas abertas para pré-vestibular ‘Atuários do Futuro’; saiba como se inscrever

Data:

Iniciativa reúne estudantes com foco em graduações de ciências exatas

O corredor do Galpão Ritma, na Rua Teixeira Ribeiro, é o portal para um mundo em que a matemática não é um bicho de sete cabeças e ninguém acha chato fazer cálculos. É ali que, de segunda a sexta-feira, durante três horas seguidas, um grupo de estudantes batizado de Atuários do Futuro se prepara com eletrizante dedicação para enfrentar as provas de vestibular capazes de materializar um sonho em comum: ser aprovado para um curso universitário na área de ciências exatas. 

Estudar Matemática, Ciências Atuariais, Estatística, Ciências Contábeis, Economia e Engenharias é o foco dessa turma, que integra o segundo ano de uma experiência criada a partir do histórico Curso Pré-Vestibular (CPV) da Redes da Maré, em ação no território há mais de duas décadas. Com patrocínio da seguradora Prudential, são selecionados anualmente 25 estudantes que têm 15 horas de reforço de física, matemática, química e redação todas as tardes da semana, para depois, à noite, assistirem às aulas regulares do CPV. 

São um total de 35 horas de estudos, de segunda a sexta-feira, de todo o conteúdo das provas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) e de outros vestibulares, como o da UERJ. Na turma piloto, de 2023, houve 12 aprovações para universidades públicas, sendo dez em graduações de Ciências Atuariais, Ciências Contábeis, Engenharia da Computação e Engenharia Elétrica. E a boa notícia é que ainda há vagas para a turma de 2024, com bolsas de 400 reais, cujas aulas começaram em março. 

Como se inscrever?

Os interessados em participar do CPV Atuários do Futuro devem clicar aqui e preencher o formulário.

O candidato tem que cursar o 3º ano ou ter concluído o Ensino Médio; ter entre 15 e 29 anos; e ser morador da Maré. As aulas acontecem de segunda a sexta-feira, das 15h às 18h, no Galpão Ritma (Rua Teixeira Ribeiro 521, Nova Holanda) e das 18h30 às 22h30, no Prédio Central Redes da Maré (Rua Sargento Silva Nunes,1012 – Nova Holanda).

Histórias dos Atuários do Futuro

Dayani Fêlix, 19 anos, moradora do Parque União, faz parte da turma dos Atuários do Futuro deste ano. Formada no Colégio Estadual Tenente General Napion, ela é o retrato perfeito dos estudantes do projeto: sempre teve facilidade para lidar com os números, a ponto de ter dado aulas para colegas de turma, ajudando quem tinha aversão a cálculos. Seu sonho era justamente ser professora de matemática, algo que mudou depois da chegada à turma especial do CPV. 

“O projeto Atuários me mostrou possibilidades que eu nunca pensei. Agora sei que posso aproveitar a facilidade para matemática e estudar Ciências Atuariais, para ter um futuro financeiramente mais estável como gestora de riscos”, diz Dayani, que, se tudo correr como espera, será a primeira pessoa da sua família a ter o diploma universitário. 

As sete horas de aulas diárias não parecem dar medo ao grupo, que, pelo que se vê em sala de aula e até fora, só pensa em estudar. O clima é de foco e união, tanto que até mesmo quando não tem aula eles podem ser vistos juntos, estudando na Biblioteca Popular Escritor Lima Barreto.

|Já leu essas?

Eu acabei de chegar e já me sinto diferente, porque aqui fico à vontade para falar, conversar, já que todo mundo se trata bem”, conta Diego Felipe, de 18 anos, que ainda cursa o 3º. Ano do Ensino Médio no Ciep Professor César Pernetta.

Outra que também se sentiu acolhida desde o primeiro momento foi Gabriela Najla, de 19 anos, que apesar de ter facilidade para matemática quando ainda estava na escola, nunca foi incentivada pelos seu professores:

“Cheguei a pensar em desistir de fazer algum curso ligado às Exatas até que descobri o Atuários e aqui estou focada em estudar Estatística”, diz ela que foi aluna do Colégio Pedro II.

E mesmo quem foi da turma do ano passado mas não conseguiu entrar na faculdade dos sonhos tem a chance de continuar estudando, como é o caso de Letícia da Silva Chaves, 20 anos, e de Thiago Silva, de 24 anos.

“O Atuários me ensinou a aprender a estudar, inclusive a fazer mapas mentais sobre assuntos que nem imaginava, como outro dia em que a professora Érika, de química, pediu para criarmos um mapa mental dos hidrocarbonetos”, diz Letícia, cujo objetivo é conseguir vaga na graduação de Ciências Contábeis ou em Ciências Atuariais.

Já Thiago Silva destaca a chance de seguir estudando, por contar com a ajuda de custo de R$ 400,00, que cada um dos estudantes do Atuários do Futuro ganha

“Aqui temos a chance de aprofundar matérias que são mais complicadas, como física e química, e seguir estudando. A cultura na favela, infelizmente, é deixar de estudar para trabalhar, mas neste projeto conseguimos fazer o contrário”

Na prática, os bons resultados do Atuários do Futuro vão além da aprovação na universidades, como demonstra Ludmylla Alexandre, de 22 anos, que garantiu vaga em Engenharia Elétrica no segundo semestre da UERJ e acaba de ser aprovada como Jovem Aprendiz pelo patrocinador Prudential Seguros:

“A primeira turma do projeto foi experimental e deu muito certo, porque havia muito diálogo entre alunos e professores, incentivo realmente para todos nós estudarmos mais, além de mostrar novas possibilidades de futuro. Nós descobrimos, por exemplo, a possibilidade de trabalhar com Ciências Atuariais como agora vai acontecer comigo.”

O Projeto Atuários do Futuro vem ampliando o campo de possibilidades educacionais e culturais dos moradores das 16 comunidades da Maré, que desejam entrar na universidade, como destaca a coordenadora do CPV, Luana Silveira:

“O foco do projeto no ensino de matemática tem como objetivo diminuir a rejeição histórica e as dificuldades de aprendizagem nesta área, que sempre foi um desafio para candidatos à universidade na Maré”.

O que faz o profissional de Ciências Atuariais?

O profissional formado em Ciências Atuariais trabalha com análise e gerenciamento de riscos e expectativas econômicas e financeiras, com o objetivo de proteção social. Trata-se de um gestor de riscos apto a trabalhar na área de seguros e previdência.

Compartilhar notícia:

Inscreva-se

Mais notícias
Related

EDI na Maré se destaca por acolhimento na primeira infância

O Espaço de Desenvolvimento Infantil (EDI) Profª Kelita Faria de Paula, localizado no Conjunto Bento Ribeiro Dantas se tornou uma referência ao falarmos de “lugar de escuta”

Clube de Futebol faz ‘vakinha’ para disputar torneio em São Paulo

No ano passado, com ajuda dos pais dos atletas, o clube disputou a Taça São Paulo na categoria sub 15, este ano o pensamento do clube é participar também na categorias sub 17